segunda-feira, 9 de agosto de 2010

O Incomôdo

Se apaixonar incomoda. Como areia no lençol, como enxugada com toalha úmida, como havaiana que vive soltando a tira.

De início, incomoda por que você não quer aceitar que agora um pensamento que foge do seu controle, que não é sobre os seus planos, vai te acompanhar para tudo que é canto. E o pior: chegar sempre de surpresa, do nada. No vapor de uma xícara de café, no final engraçado de uma piada de humor negro, numa mensagem de texto que você pensa em digitar enquanto espera seu prato ou o ônibus sanfonado.

Bate um dejavu medroso, feito do combinado entre receio e orgulho provocado por histórias passadas que balançaram o seu coração ou machucaram outros. Você se convence com a firmeza de quem diz que aquele é mesmo o último chopp que já passou por isso antes e que, dessa vez, não sucumbirá a encanto nenhum.

Diz se olhando no espelho que já viu esse filme e considera o final previsível como o desfecho de 2 horas na Sessão da Tarde. “Apaixonado, eu? Nah… Tô tranquilo.”

Mas no fundo, desde sempre, você só quer que as luzes da sala diminuam e o filme comece. Quer mesmo que ela chegue bem antes dos letreiros - junto com os créditos que você escreveu ao achá-la tão interessante que poderia estar em cartaz.

Se apaixonar incomoda por que fica sempre com você, como uma pedrinha no sapato.
E por mais que tente descalçar pelo bem dos seus pés, você caminha por aí com um estranho desconforto. Anda para cima e para baixo como se usasse Crocs laranja-limão e todos na rua rissem do quanto você se pergunta se ela também pensa assim em você.

Mas aí, enquanto você não sabe se amarra ou joga longe o sapato de achismos e suposições que tanto o incomoda, vem o abraço. O beijo. O riso cúmplice que só a intimidade denuncia.

E você percebe que se apaixonar verdadeiramente incomoda somente na distância. Porque de perto, te preenche por completo.

5 comentários:

Carina disse...

Lindo texto, como sempre Fubim (apesar de eu sempre achar que vc meio que pesa a mão nas metáforas...).

Se apaixonar é mesmo uma sensação e tanto... Legal ver este texto vindo de vc! ;D

Mel disse...

Eita menina sortuda né?

Parabéns pelo texto fubinha. Eu sempre me divirto com seus textos!

However, concordo com o comentário da Carina. Poderia reduzir um pouco as metáforas pq elas às vezes tem mais volume do que o tema central do texto .

beijos querido!

Biza disse...

Eu sou tão cafona... Adoro metáforas!

passante tímida disse...

se serve de consolo, eu tambem devo ser cafona. Sem metáforos e trilha sonora pra mim, a vida não tem graça

Bárbara M. disse...

fugir do tema central é o que há!

acho que estou apaixonada! rs

adorei o blog!!!